As diferenças dos câmbios dos automóveis

‘Mr. Bean’ e sua McLaren
18 de junho de 2022
Novo elétrico da Nissan pode trazer bateria de estado sólido ao mercado
20 de junho de 2022
Exibir tudo

Os câmbios automáticos vêm ganhando cada vez mais espaço no mercado dos automóveis – além do tradicional manual, muito comum no Brasil.

Veja quais são as principais diferenças entre as transmissões presentes nos carros:

Câmbio manual

Esse sistema utiliza dois pares de engrenagens, que se conectam ao motor. Na transmissão manual, o próprio motorista aciona a embreagem e engata a marcha mais apropriada para o momento. Quando a alavanca de câmbio é movimentada, entra em ação o garfo de engate, permitindo que as luvas de engate se encaixem à engrenagem.

Câmbio automático

Sem intervenção do motorista, o câmbio automático cuida de todo o processo de seleção das marchas. Seu projeto adota as chamadas engrenagens planetárias, que agrupam diversas engrenagens menores com diferentes tamanhos. 

A troca de marcha ocorre quando o sistema interpreta a velocidade do carro e a rotação do motor, a fim de criar uma combinação de engrenagens mais favorável no interior da planetária. 

A conexão entre a caixa de transmissão automática e o motor é indireta, graças ao conversor de torque. Ele armazena um fluido interno, bombeado pelo motor, fazendo com que outra peça, em forma de turbina, se movimente e execute a transferência de força.

Câmbio automatizado

O funcionamento do câmbio automatizado é parecido com o do manual. A diferença é que um sistema computadorizado aciona a embreagem e a troca das marchas. Barreto explica que a transmissão de dupla embreagem é a evolução do câmbio automatizado convencional.

Os modelos dotados com esse sistema realizam a troca mais rápida, precisa e suave. Na transmissão automatizada de dupla embreagem, uma embreagem é responsável pelas marchas pares e outra se incumbe das ímpares.

Câmbio CVT

O câmbio CVT (continuously variable transmission, ou transmissão continuamente variável) cria relações de marchas virtualmente infinitas, sem trancos de uma passagem para outra e sem engrenagens. O CVT tem condições de identificar qual é a faixa ideal de rotação do motor e modifica a relação entre a polia que envia a força do motor e a polia que recebe essa força na caixa de transmissão. Uma vez mantendo o veículo na faixa ideal de rotação, o consumo de combustível é mais econômico.